Ouça ao vivo
Ouça ao vivo
No ar agora

Heródoto Barbeiro: “Inflação, inimiga da popularidade do governo”

Heródoto Barbeiro
14:56 06.05.2024
Autor

Heródoto Barbeiro

Jornalista, escritor e radialista
Jornalismo

Heródoto Barbeiro: “Inflação, inimiga da popularidade do governo”

Na Novabrasil você acompanha o jornalista Heródoto Barbeiro no comando do jornal 'Nova Brasil', de segunda sexta-feira, às 7h30

Herodoto Barbeiro - 06.05.2024 - 14:56
Heródoto Barbeiro: “Inflação, inimiga da popularidade do governo”
Banco Central. Foto: Agência Brasil

A economia se torna o principal tema do debate político do Brasil. Oposição e governo têm pontos de vista contrários. Um propõe mais uma reforma, o outro lado diz que o Estado deve taxar os mais ricos para promover uma distribuição de renda e mitigar os efeitos da fome, falta de moradias e assistência médica. O mínimo necessário para a dignidade humana.

No passado, um ministro defendeu a ideia de que primeiro era preciso aumentar o bolo da economia para depois dividi-lo. Nem houve crescimento, nem distribuição da iguaria. Há quem opte pela liberação da economia, com menos leis e intervenção do Estado. O fato é que a inflação corre solta, enquanto se discute a melhor saída que não seja o aeroporto. Ela é acusada pela esquerda e pela direita de ser responsável pela perda do poder de compra do salário dos trabalhadores. Contudo, como domar o dragão da inflação? Com uma bala de prata como propôs um presidente? Com o congelamento dos investimentos, saldos bancários, fundos públicos e até a caderneta de poupança? Com mais um plano econômico para durar pouco tempo, como registraram os jornalistas?

A oposição faz acusações de que a economia capitalista é uma forma de enriquecer a burguesia. Ela explora o trabalhador uma vez que se apropria do excedente que ele produz com o seu trabalho.

É a acumulação da mais-valia que distingue os ricos dos pobres, diz a pregação do principal partido de oposição, que obviamente defende a implantação de uma sociedade socialista, igualitária e apoiada na distribuição da riqueza, seja ela as terras com a reforma agrária, seja defendendo a implantação a criação de empresas estatais dirigidas pelos trabalhadores, fortalecimentos dos sindicatos como forma de embate político e o aumento dos salários.

Os conservadores, obviamente, não concordam e dão exemplos no mundo em que essas soluções não deram certo. Entidades internacionais, como o FMI, têm uma receita que é rejeitada antecipadamente, uma vez que defende redução dos gastos públicos, saldo financeiro e menos Estado na economia. A oposição espera que o atual Ministro da Fazenda, um professor da Universidade de São Paulo, respeitado e conhecido por seus trabalhos acadêmicos na área da Sociologia, possa mudar esse quadro. Afinal, ele também é um dos ícones intelectuais da esquerda brasileira.

O governo está com a corda no pescoço. Vem de anos e anos de déficit público. A popularidade dele depende muito de ter dinheiro para os programas sociais e investimentos, principalmente em infraestrutura. Os preços nos supermercados são remarcados todos os dias e, às vezes, duas vezes ao dia. As maquininhas de preços não param. É tão ou mais importante do que o carrinho de compras. Uma garrafa de Coca-Cola de dois litros custa dezenove mil e 200 cruzeiros reais. Parafraseando: ou o Brasil acaba com a inflação, ou a inflação acaba com o Brasil!

O professor Fernando Henrique Cardoso faz até referência à Alemanha depois da Primeira Guerra mundial. Ele é o Ministro da Fazenda do governo de Itamar Franco, que assumiu depois da cassação de Collor. Junta uma equipe de economistas e apresenta um plano de estabilização monetária. Mais um? Desta vez cria-se um ajuste fiscal emergencial, a URV – Unidade Real de Valor – e só posteriormente uma nova moeda: o real. Os preços tomam como base o valor do dólar, considerado a âncora do real.

Opta-se pela total transparência dos atos do governo e isso ajuda a aumentar a credibilidade no plano. O sucesso é rápido, a popularidade do governo decola e, pela primeira vez, a moeda não embute a inflação que no passado recente passou de 2.500%. FHC candidata-se à presidência da República e é eleito no primeiro turno ao derrotar Luís Inácio da Silva, o Lula.

*Heródoto Barbeiro é jornalista da R7 e Nova Brasil às 7h30min (89.7), além de autor de vários livros de sucesso, tanto destinados ao ensino de História, como para as áreas de jornalismo, mídia training e budismo. Apresentou o Roda Viva da TV Cultura e o Jornal da CBN. Mestre em História pela USP e inscrito na OAB. Acompanhe-o por seu canal no YouTube “Por dentro da Máquina”, clicando no link

Tags relacionadas

economia heródoto barbeiro Inflação
< Notícia Anterior

Diego Amorim: "Um país sem projeto de nação"

06.05.2024 14:40
Diego Amorim: "Um país sem projeto de nação"
Próxima Notícia >

“We are the world brasileira”: Rock in Rio lança música "Deixa O Coração Falar"; confira aqui

06.05.2024 18:09
“We are the world brasileira”: Rock in Rio lança música "Deixa O Coração Falar"; confira aqui
colunista

Heródoto Barbeiro

Suas redes

© 2024 - novabrasil - Todos os direitos reservados
Com inteligência e tecnologia: PYXYS - Reinventing Media Business