Para Cazuza, Todo o amor que houver nesta vida

Por: Novabrasil
4 de abril de 2022

Hoje, 4 de abril, Agenor de Miranda Araújo Neto, o eterno Cazuza, faria 64 anos.

O cantor, poeta e compositor nos deixou 1990, com apenas 32 anos –  vítima de complicações causadas pela AIDS – mas entrou para a história como um dos maiores nomes da música popular brasileira de todos os tempos.

Filho de Lucinha Araújo e do produtor musical João Araújo – fundador da gravadora Som Livre –  Cazuza sempre viveu em um ambiente musical. Dono de uma genialidade impressionante com as palavras, e de uma voz e habilidade vocal inconfundíveis, Cazuza começou como vocalista do Barão Vermelho – uma das maiores bandas de rock do Brasil – ao lado de Frejat, que na época era o guitarrista do grupo e só assumiu os vocais depois da saída de Cazuza para carreira solo, em 1985.

Irreverente e cheio de personalidade, sua vasta obra transcende o tempo e deixa um legado único, que revolucionou a música brasileira, ao unir o rock’n roll e a MPB, com clássicos como: Bete Balanço, Pro Dia Nascer Feliz, Exagerado, O Tempo não Pára, Codinome Beija-Flor, Ideologia, Faz Parte do meu Show, O Nosso Amor a Gente Inventa, Todo Amor que Houver Nessa Vida, Brasil e Preciso Dizer que te Amo e tantos outros.

10 Curiosidades sobre Cazuza, nosso aniversariante de hoje:

1 – Agenor de Miranda Araújo Neto, Cazuza recebeu este apelido antes de nascer. Cazuza, no nordeste, significa “moleque, garoto”. Seu verdadeiro nome foi escolhido por insistência da avó paterna.

2 – Na infância, Cazuza nem sequer sabia seu nome de batismo, por isso não respondia à chamada na escola. Só mais tarde, quando descobriu que um de seus ídolos, Cartola, também se chamava Agenor (na verdade, Angenor, por um erro do cartório), é que Cazuza começa a gostar do seu nome.

3 – Após a sua morte, em 1990, os pais do artista fundaram a Sociedade Viva Cazuza, que tem o objetivo de proporcionar uma vida melhor a crianças soropositivas, por meio de assistência à saúde, educação e lazer.

4 – Antes de tornar-se vocalista do Barão Vermelho, Cazuza trabalhou na Som Livre, gravadora fundada por seu pai, João Araújo. Em um primeiro momento no departamento artístico, onde fazia triagem de fitas de novos talentos e, depois, na assessoria de imprensa, onde escreveu releases para divulgar os artistas.

5 – Cazuza ingressou no grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, companhia teatral que revelou outros artistas como Regina Casé, Evandro Mesquita e Luís Fernando Guimarães. Foi lá que Cazuza cantou em público pela primeira vez.

6 – O cantor e compositor Leo Jaime foi convidado para integrar uma nova banda de rock de garagem que se formava no bairro carioca do Rio Comprido, não aceitou e  indicou Cazuza aos vocais. Assim nascia o Barão Vermelho.

7 – O Barão Vermelho foi convidado a compor e gravar o tema do filme Bete Balanço, de Lael Rodrigues, em 1984. A canção-título, de Cazuza e Frejat, tornou-se a música de maior sucesso da banda e um clássico do rock nacional, sendo a canção mais regravada do Barão Vermelho.

8 – Em outubro de 2008 a revista Rolling Stone Brasil promoveu a lista dos Cem Maiores Artistas da Música Brasileira, cujo resultado colocou Cazuza na 34ª posição.

9 – Em 1997, Cássia Eller lançou o álbum Veneno AntiMonotonia, que traz somente composições de Cazuza. A cantora é a intérprete que mais gravou canções de Cazuza.

10 – O Barão Vermelho estourou após Ney Matogrosso gravar Pro Dia Nascer Feliz, de Cazuza e Frejat, que se tornou o primeiro hit da banda e um de seus maiores sucessos.

Esta vida louca, vida breve, levou o nosso Exagerado. Mas O Tempo não Pára. E você foi um garoto que mudou o mundo, mostrou a sua cara e transformou o tédio em melodia.

Nos dê sempre de presente o seu bis, Cazuza. Pro nosso dia nascer feliz. Porque isso faz parte do seu show.

Pra você, Cazuza, todo o amor que houver nessa vida. Sempre!

MPB
 

DESTAQUES | PODCASTS