Ouça ao vivo
Ouça ao vivo
No ar agora

Um ano sem Rita Lee; confira especial sobre a “mãe do rock brasileiro”

Lívia Nolla
14:03 08.05.2024
Autor

Lívia Nolla

Pesquisadora Musical
Brasilidade

Um ano sem Rita Lee; confira especial sobre a “mãe do rock brasileiro”

Em 8 de maio de 2023, perdíamos uma das artistas brasileiras mais importantes e revolucionárias de todos os tempos

Lívia Nolla - 08.05.2024 - 14:03
Um ano sem Rita Lee; confira especial sobre a “mãe do rock brasileiro”
Rita Lee. Foto: Divulgação

Há exatamente um ano, o mundo ficava mais sem graça: em 08 de maio de 2023, perdíamos uma das artistas brasileiras mais importantes e revolucionárias de todos os tempos: a eterna Rita Lee.

Rita tratava um câncer, quando faleceu em sua casa, cercada de sua família e de muito amor, aos 75 anos de idade, depois de ter construído uma carreira de quase 60 anos de muito sucesso na música brasileira, sendo considerada a mãe do nosso Rock’n Roll.

Veja também:
Música inédita de Rita Lee será lançada ainda em maio, diz Roberto de Carvalho

Rita Lee — Foto: Divulgação

No dia em que Rita Lee partiu, nós publicamos uma matéria especial sobre a sua trajetória, desde a infância, passando pelo tempo com Os Mutantes, pela Tropicália, a banda Tutti-Frutti, sua parceria com Roberto de Carvalho, os livros que escreveu, e as conquistas que representou para tantas mulheres ao longo de sua vida.

Vale a pena conferir!

Também tivemos a honra de homenagear Ritinha em vida: ela é uma das artistas que tem sua biografia contada em formato de áudio, no nosso podcast exclusivo Acervo MPB. Dê o play e delicie-se com suas histórias!

No último aniversário de Rita Lee em vida, quando a cantora completou 75 anos, em 2022, nós também preparamos uma playlist especial, que traz os 40 maiores sucessos da carreira da cantora e compositora paulistana.

Mel Lisboa está em cartaz com a peça “Rita Lee – Uma Autobiografia Musical”. É a segunda vez que Mel dá vida nos palcos a rainha do rock nacional. A atriz ganhou visibilidade ainda muito jovem quando protagonizou a minissérie “Presença de Anita”. De lá pra cá colecionou alguns fracassos e muitos sucessos.

No programa ‘Vozes da Vez’, com apresentação de Fabiane Pereira, Mel conta que adora fazer personagens fortes e desafiadores mas, ainda hoje, se pega fazendo as coisas para agradar ao outro, embora já tenha aprendido a não levar para casa nem elogios efusivos nem críticas ferozes. Autoanálise e astrologia também marcam presença nesse programa-tributo a nossa Rita Lee.

Confira abaixo:

Enfim, temos uma infinidade de conteúdos para vocês devorarem e matarem a saudade dessa, que foi uma das mais importantes artistas da nossa história, e que deixa uma saudade e um legado gigantescos pra quem fica.

Mais sobre Rita Lee

Conhecida como a Rainha do Rock Brasileiro – título que ela não gostava e que preferia ser chamada de Mãe do Rock, e agora mais recentemente de Vovó do Rock brasileiro – a cantora, compositora, multi-instrumentista e escritora Rita Lee vendeu mais 55 milhões de discos ao longo de mais de 55 anos de carreira, estando entre os cinco artistas que mais venderam discos na história da nossa música e sendo uma das mulheres mais influentes do país, conhecida nacional e internacionalmente.

Versátil, além do rock’n roll, Rita passeava brilhantemente por vários outros gêneros musicais como o pop, as baladas, a música eletrônica, o psicodélico e a bossa nova.

Com mais de 300 composições, foi uma das primeiras mulheres roqueiras no Brasil, um meio antes totalmente dominado por homens, e se tornou referência para uma centena de mulheres artistas que vieram depois dela na música brasileira. É raro encontrar uma cantora brasileira que não tenha se inspirado em Rita Lee.  

Ativista e feminista, Rita não participou somente de revoluções na música, mas também no que diz respeito à sociedade como um todo e ao comportamento, posicionamento, independência e liberdade sexual das mulheres. Suas letras livres, fortes e questionadoras foram fundamentais para este movimento, sempre rompendo com as convenções sociais impostas. 

Outra área em que Rita Lee atua ativamente é na dos direitos dos animais e da preservação do meio ambiente. 

Rita Lee | Foto: Nelson Di Rago/TV Globo/Arquivo

O início 

Paulistana nascida na Vila Mariana, Rita tem pai norte-americano e mãe brasileira e fala fluentemente diversas línguas. Começou a estudar piano ainda criança, mas se interessou mais fortemente por música na adolescência, quando escutava desde os internacionais The Beatles e Elvis Presley, aos brasileiros Ângela Maria e João Gilberto.

Ainda adolescente, começou a compor suas primeiras canções e, em 1963, formou sua primeira banda, com duas amigas, passando a tocar em festinhas de escola. Em 1966, passou a se apresentar, ao lado dos irmãos Arnaldo Baptista, no baixo, e Sérgio Dias, na guitarra, como elenco fixo do programa do Ronnie Von. Ali, nasciam Os Mutantes. 

Os Mutantes foram a primeira banda do Brasil a fazer uma espécie de rock psicodélico, inovador e experimental. Rita, além de cantar e compor, tocava flauta, teclados, percussão, banjo e fazia performances com sintetizadores e objetos inusitados.

Com o trio, se apresentou nos grandes festivais de música brasileira, e acompanhou Gilberto Gil na histórica apresentação de Domingo no Parque e, depois, Caetano Veloso em É Proibido Proibir, se juntando a eles e a outros grandes nomes como Gal Costa e Tom Zé na consolidação de um movimento de contracultura que transformou a música brasileira para sempre: o Tropicalismo, e participando do antológico disco Tropicália ou Panis Et Circense.

Rita Lee na época de Os Mutantes | Foto: Reprodução

Com os Mutantes, Rita Lee gravou quase 10 discos e eternizou canções clássicas como Tecnicolor e Ando Meio Desligado (ambas parcerias dos três Mutantes); , Top Top (dos três com Liminha); 2001 (parceria de Rita com Tom Zé); e Balada do Louco (de Rita e Arnaldo).

Em 1973, ano seguinte de sua saída dos Mutantes, Rita se juntou à cantora, compositora e guitarrista Lúcia Turnbull; ao guitarrista Luis Sérgio Carlini; ao baixista Lee Marcucci e a outros músicos, pra formar a banda Tutti Frutti. Esta foi a banda que acompanhou Rita Lee nos seus primeiros anos de carreira solo. 

Nesta fase, ela lançou clássicos como Mamãe Natureza, Coisas da Vida e Menino Bonito (todas composições solo); e o histórico álbum Fruto Proibido, considerado uma obra prima e um dos principais discos do rock brasileiro, que traz vários grandes sucessos da carreira da cantora como, por exemplo:  Agora Só Falta Você (com Luiz Carlini), Esse Tal de Roque Enrow (com Paulo Coelho) e Ovelha Negra, e consolidou Rita definitivamente como uma das maiores artistas do nosso país, sendo chamada – a partir de aí – de Rainha do Rock Brasileiro. 

E Rita fez história

Em 1976, Rita Lee conheceu o multi-instrumentista e compositor Roberto de Carvalho, que entrou para a sua banda como tecladista e se tornou seu grande parceiro na música e na vida desde então, e até os últimos dias da vida de Rita.

Juntos, eles tiveram três filhos, entre eles o músico Beto Lee, que também entrou como parte da banda da mãe mais para frente e, hoje, toca com os Titãs.

Nos anos seguintes, Rita lançou mais clássicos como Jardins da Babilônia (com Lee Marcucci) e Eu & Meu Gato, sofreu perseguição por conta da ditadura militar e chegou a ser presa, grávida do seu primeiro filho. Já sem o Tutti Frutti, passou a trabalhar cada vez mais em parceria com Roberto e a assinar alguns discos com o nome dos dois.  

Roberto de Carvalho e Rita Lee | Foto: Jorge Marinho / Agência O Globo

Em seguida, vieram as turnês internacionais e super sucessos, como por exemplo:

  • Mania de Você
  • Banho de Espuma
  • Bem-me-Quer
  • Caso Sério
  • Chega Mais
  • Cor-de-Rosa Choque
  • Desculpe o Auê
  • Flagra
  • Lança Perfume
  • Mutante
  • Nem Luxo, Nem Lixo
  • Papai Me Empresta O Carro
  • Saúde
  • Alô, Alô Marciano (todas parcerias com Roberto de Carvalho)
  • Orra Meu
  • Doce Vampiro
  • Baila Comigo (todas só de Rita)
  • Erva Venenosa (versão de Rossini Pinto para a canção Poison Ivy, de (Jerry Leiber e Mike Stoller)
  • Pagu (parceria com Zélia Duncan)

Com o disco 3001, Rita Lee venceu – em 2001 – o Grammy Latino de Melhor álbum de Rock em Língua Portuguesa. No mesmo ano, lançou um disco inteiro com versões e regravações de canções dos Beatles em bossa nova.

Nos anos 2000, vieram novos hits como Amor e Sexo (com Roberto e Arnaldo Jabor), Reza (com Roberto) e Tudo Vira Bosta (de Moacyr Franco) Em 2010, Rita  Lee – então com 65 anos – anunciou a sua aposentadoria dos palcos. Mas, da música, jamais!

Rita também trabalhou como atriz e apresentadora e era uma excelente escritora, tendo escrito, além de sua famosa autobiografia, diversos livros infantis que falam sobre a natureza e o meio ambiente. Sua trajetória inspirou um musical estrelado por Mel Lisboa (que acabou de retornar aos palcos repaginado!) e uma exposição histórica no Museu da Imagem e do Som de São Paulo.

Rita Lee | Imagem: Reprodução

Já avó e mais reclusa desde que se aposentou dos palcos, em 2021, Rita deu um susto em todos nós ao anunciar que estava tratando um câncer no pulmão, aos 73 anos de idade. Em maio de 2023, há exatamente um ano, fomos abalados com a notícia de sua partida deste plano.

Mas, em nós, Rita Lee, estará sempre viva, cheia de graça e fazendo um monte de gente feliz!

Tags relacionadas

01 ano sem rita lee Livia Nolla Música Brasileira música popular brasileira rainha do rock Rita Lee rock brasileiro
< Notícia Anterior

Ed Motta cancela turnê na Europa por problemas de saúde

08.05.2024 12:40
Ed Motta cancela turnê na Europa por problemas de saúde
Próxima Notícia >

Gabriel Chalita: "No livro e nos palcos, o que aprendemos “Entre Franciscos”?

08.05.2024 14:54
Gabriel Chalita: "No livro e nos palcos, o que aprendemos “Entre Franciscos”?
colunista

Lívia Nolla

Suas redes

© 2024 - novabrasil - Todos os direitos reservados
Com inteligência e tecnologia: PYXYS - Reinventing Media Business