Hoje, 6 de junho, seria aniversário da cantora, compositora, instrumentista e atriz, Maysa.

Dona de uma voz e um poder de interpretação inconfundíveis, personalidade forte e transgressora, Maysa foi considerada uma das melhores cantoras da sua geração e transformou a música popular brasileira para sempre, influenciando muitos artistas que vieram depois como Ângela Ro Ro, Leila Pinheiro, Cazuza e Renato Russo.

Maysa Monjardim Matarazzo é uma das vozes mais marcantes da música popular brasileira | Foto: Divulgação.

Uma das maiores vozes do samba-canção, Maysa teve uma vida turbulenta e relacionamentos amorosos conturbados, que refletiam em suas composições melancólicas e na forma dramática e passional que interpretava as canções. Sofria de depressão e também do vício em álcool.

Nascida em 1936, em uma família rica e tradicional do Espírito Santo, passou a infância no Rio de Janeiro, estudou em colégio interno em Paris e, depois, viveu em São Paulo. Sempre soube que queria ser cantora e foi autodidata. Uma mulher ousada e à frente de sua época, rompeu padrões, compondo pouco mais de 30 canções, em uma época em que poucas mulheres atuavam como compositoras.

Maysa sofreu muito preconceito por escolher seguir a carreira artística e teve até que abandonar o primeiro marido e o filho, o hoje diretor Jayme Monjardim – porque o marido não aceitava a sua carreira – tendo sido julgada por uma sociedade conservadora.

A artista fez sucesso internacionalmente e se apresentou nas principais casas de show do mundo. Entre suas principais composições estão os sucessos Meu Mundo Caiu, Ouça, Adeus (que compôs com apenas 12 anos de idade), Resposta e Tarde Triste

 

Mais tarde, enveredou também para um lado um pouco mais leve, da bossa nova, e gravou canções como Eu Não Existo Sem Você, A Felicidade e Água de Beber (todas de Tom Jobim e Vinícius de Moraes); e O Barquinho (de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli), sempre dando um tom mais intenso às canções, principal marca de sua personalidade artística.

A cantora nos deixou órfãos da sua genialidade e talento muito cedo, aos 40 anos, vítima de um acidente de carro a caminho de Maricá, onde vivia nos anos 1970.

Viva, Maysa, um grande ícone, musa do samba-canção ou – como muitos costumam chamar – da música de fossa!