A cantora e compositora baiana Xenia França, acaba de lançar o seu segundo álbum solo, cinco anos depois do disco de estreia, Xenia, lançado em 2017, e indicado ao Grammy Latino nas categorias Melhor Álbum Pop Contemporâneo e Melhor Canção em Língua Portuguesa (com Pra Que Me Chamas?, dela em parceria com Lucas Cirillo, que foi seu companheiro de banda Aláfia, da qual a cantora fez parte antes de seguir voo solo).

Como o primeiro álbum, Em Nome da Estrela tem produção musical de Pipo Pegoraro (outro ex-companheiro de Aláfia) e Lourenço Rebetez, e estreou em todas as plataformas no último dia 03 de junho.

O álbum conta com outras quatro parcerias da artista com Lucas Cirillo – Ânimus x Anima; From the Heights (que também conta com Pipo Pegoraro na composição); Ancestral Infinito (que também conta com Kauê Caldas, Sara Hoston, Theodoro Nagô, Ricardo Braga e Vitor Arantes na composição); e Já É (que traz a participação especial do rapper Rico Dalasam, também autor da faixa).

Foto: Instagram | @xeniafranca

Além disso, o álbum ainda resgata duas preciosidades escondidas da MPB, pouco conhecidas do grande público: a canção Magia, de Djavan, gravada pelo alagoano apenas uma vez, em seu disco de estreia – A Voz, o Violão, a Música de Djavan, de 1976 – e nunca mais regravada por ninguém; e Futurível, de Gilberto Gil, lançada pelo baiano imortal em seu terceiro disco, homônimo, de 1969.

Renascer, single autoral que abre o disco, foi a música que apresentou Em Nome da Estrela, no dia 12 de maio, quando Xenia anunciou em suas redes:

“Me sinto uma borboleta recém saída de um casulo. Uma fênix após a morte. O primeiro raio de sol a despontar no horizonte depois de uma grande tormenta. Me sinto literalmente em outra dimensão. Com todo amor que eu tenho no meu coração, tudo o que sou e tenho pra dar nesse momento, pra vocês Renascer canção que abre alas pro meu novo disco raiar.”.

Outra faixa autoral do álbum – que também conta com uma composição da paulistana Luiza Lian (Dádiva) e um interlúdio da ialorixá Mãe Menininha (Cantiga da Nação Jêje) – é a canção Interestelar.

O lançamento do álbum aconteceu no Sesc Pompeia, em São Paulo, onde Xenia vive atualmente, mas terá uma apresentação especial em sua terra natal, a Bahia, no Teatro Castro Alves, em Salvador, dia 17 de junho!