Hoje é aniversário dela, uma das maiores musas da música popular brasileira de todos os tempos, conhecida como a Abelha Rainha da MPB: Maria Bethânia!

Dona de uma das mais belas e potentes vozes do Brasil (eleita em 2012 como a 5ª maior voz da música brasileira de todos os tempos), Bethânia também é uma das maiores intérpretes do país e do mundo.

Respeitada e admirada, a artista tem mais de 26 milhões de discos vendidos ao longo de mais de 50 anos de carreira, gravou todos os mais importantes compositores de nossa música, trazendo sempre a sua digital – poética e visceral – impressa em cada interpretação.

Foto: Instagram | @mariabethaniaoficial

Nascida em Santo Amaro da Purificação, no interior da Bahia, Bethânia é irmã mais nova de Caetano Veloso e foi ele quem – com apenas quatro anos de idade – escolheu o nome da irmã, inspirado em uma música do compositor Capiba, que Nelson Gonçalves lançou no mesmo ano em que ela nasceu, 1946, chamada Maria Bethânia.

A cantora ganhou projeção nacional quando foi convidada – com apenas 19 anos – por Nara Leão para substituí-la no show Opinião, ao lado de Zé Keti e João do Vale, e dirigido por Augusto Boal. O espetáculo tornou-se um grande sucesso na época, por conta de suas canções de protesto, que retratavam a problemática social do país em tempos de regime militar. A música Carcará – de João do Vale e José Cândido – ganhou uma interpretação poderosa de Bethânia e foi o pontapé inicial para transformá-la, a partir daí, em uma das maiores cantoras de todos os tempos, não somente de canções de protesto, mas que passeia pelos diversos gêneros com maestria e sofisticação.

Sempre mesclando texto e música, em seus discos e espetáculos, Bethânia faz isso de forma primorosa, trazendo uma interpretação potente e envolvente, com poesias declamadas de forma única e canções que tornam-se grandes sucessos em sua voz, como, por exemplo, as clássicas: Brincar de Viver (de Guilherme Arantes e John Lucien); Reconvexo (de Caetano Veloso); Sonho Meu (de Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho); Gostoso Demais (de Dominguinhos e Nando Cordel); As Canções que Você Fez Pra Mim (de Roberto e Erasmo Carlos); Onde Estará O Meu Amor (de Chico César); Olhos nos Olhos (de Chico Buarque); Anos Dourados (de Tom Jobim e Vinicius de Moraes); e Carta de Amor (de Paulo César Pinheiro); entre tantas outras.

Viva, Maria Bethânia, pelos seus 76 anos! E não mexe com ela, que ela não anda só!

 

Leia mais sobre a cantora

Documentário Maria – Ninguém sabe quem sou eu, sobre Maria Bethânia, está em fase de produção