Hoje, um dos maiores representantes da música popular brasileira faz 76 anos: o grande Alceu Valença!

Cantor, compositor, instrumentista, grande e irreverente poeta – e agora cineasta – o pernambucano de São Bento do Una representa o nordeste como poucos. 

Com quase cinquenta anos de carreira e mais de cinco milhões de discos vendidos, Alceu é mestre em misturar as influências regionais do maracatu, do coco, das toadas, dos xotes, frevos e baiões, do repente de viola e da literatura de cordel e de outras manifestações nordestinas, às guitarras e baixos elétricos vindos do rock’n roll e também a elementos da música pop.

Questões políticas e sociais, também estão sempre presentes em sua música. Alceu Valença formou-se em Direito e estudou um tempo nos Estados Unidos (onde tocava nas ruas e era chamado de “Bob Dylan brasileiro), antes de decidir mudar -se para o Rio de Janeiro e participar do seu primeiro festival de música brasileira, nos anos 70, ao lado de seus parceiros Geraldo Azevedo e Jackson do Pandeiro.

Mas Alceu estourou mesmo e tornou-se conhecido do grande público, ao lançar seu primeiro grande sucesso – o baião Coração Bobo – depois de uma temporada em Paris, no fim de 1970 e começo de 1980.

Depois vieram tantos e tantos sucessos que o consagraram como um dos maiores artistas da música brasileira: Morena Tropicana, Anunciação, Girassol, La Belle de Jour, Talismã, Como Dois Animais, Ciranda da Rosa Vermelha e tantos outros. 

Em 2016, Alceu mergulhou ainda mais nas suas origens e lançou o premiado filme A Luneta do Tempo, fazendo sua estreia como diretor.

Viva o mestre, Alceu Valença!