Oi! Eu sou Roberta Campos e te convido a entrar comigo no MULTIVERSOS 🪐 – a coluna que te levará aos diversos universos que uma canção pode ter. Hoje, vamos decolar para o universo da canção Fullgás de Marina Lima.

O título faz um trocadilho com a palavra “Fulgas” e a expressão em ingês “Full Gas”, que usada para descrever alguém cheio de energia.

Foi a Primeira parceria de Marina com Antônio Cícero que estourou nacionalmente.

Marina conta que depois de um bate papo com Lobão, que era seu baterista na época e havia lhe apresentado um tecladinho Cassio de brinquedo, ela teve a ideia de usar a bateria eletrônica desse teclado para começar a criar uma musica! 

Começou a testar possibilidades de sons e caminhos musicais, foi aí que encontrou uma bateria com o nome de POP/ROCK, que é a levada de FULLGÁS. Em cima desse som, ela fez a harmonia e a melodia da música.

Com a melodia pronta, ela chama seu irmão Cícero e mostra o que tinha criado! Ele conta que o som da bateria eletrônica o ajudou a escrever a letra.

O produtor e baixista Liminha foi quem criou e gravou essa linha de baixo incrível e marcante na musica. O mais incrível é que nessa época estava andando com uma bateria eletrônica debaixo do braço e que o ajudou na criação da levada da musica e que também se inspirou no baixo de Billie Jean para a criação.

Antônio Cícero e Marina Lima compondo | Foto: Arquivo Pessoal.

Produzida por João Augusto , lançada pela Polygram, Fullgás fechou o ano de 84 como a nona canção mais tocada nas rádios do Brasil.

Gostou de entrar nesse MULTIVERSO?

Te convido a acompanhar a coluna, toda terça-feira, no programa Radar

Espero você! 🪐