Dançar é uma das melhores maneiras de expressar alegria, reunir comunidades inteiras e sentir que ali, naquele momento, você está em contato com a arte. Nesse sentido, de norte a sul, de leste a oeste do Brasil, essa cultura da dança está presente em suas diferentes formas, por exemplo, a dança carimbó, típica da região Norte do país.

De origem paraense, o carimbó nasceu da vontade de dançar dos agricultores, portanto, assim que finalizaram o trabalho no final do dia, dançavam a música do curimbó, principal instrumento da dança paraense.

O nome carimbó, ou curimbó, vem do tupi, assim, curi quer dizer pau e m’bó significa furado, que em português quer dizer “pau que produz o som”. Por isso, o instrumento curimbó, ao qual o nome se assemelha a esse costume, toca-se com as pernas que o abraçam para desenvolver sonoridade.

A dança típica do nordeste do Pará, assim como outras categorias de danças brasileiras, apresenta influência indígena, africana e europeia. Nesse sentido, essa combinação de características fez do carimbó, também conhecido como Samba de roda do Marajó ou Pau e Corda, uma das principais representações artísticas dos paraenses.

De onde vem o nome carimbó O carimbó é uma dança muito tradicional no Pará
De onde vem o nome carimbó O carimbó é uma dança muito tradicional no Pará. | Foto: Redação Correio Paraense.

O que é carimbó?

O carimbó é uma dança cultural da região Norte, assim, tem a sua origem no estado do Pará durante o século XVII, a partir das danças e costumes indígenas. Nesse sentido, o nome é em homenagem ao instrumento musical indígena curimbó, tambor artesanal muito usado em apresentações artísticas e religiosas.  A junção de “curi” (pau oco) e “m’bó” (furado) tem o significado, em português, de “pau que produz o som”.

Curimbó
Curimbó. | Foto: Reprodução/Internet.

Origem do carimbó

Em outras palavras, além de dança e ritmo, esse estilo cultural também se constitui como uma identidade. Desse modo, com a combinação de vários povos, é possível perceber a herança dos negros no rebolado da dança, como também se mostra presente no batuque rápido do som do banjo.

Por outro lado, dos europeus, a dança típica do nordeste do Pará tem outros itens adicionados: a flauta, o saxofone e o clarinete. Além disso, é comum a formação de casais, que rodopiam conforme a sonoridade do carimbo, inclusive, essa referência veio dos portugueses.

No entanto, apesar das diversas referências, não é possível afirmar com certeza onde nasceu de fato o carimbó, mas segundo alguns historiadores, por exemplo, Agripino da Conceição, a origem da dança pode ter vindo de Marapanim, mais especificamente na comunidade de Maranhãozinho.

Além disso, na região de Marapanim, inclusive, é onde mais se encontram grupos que buscam desenvolver a tradição da dança típica paraense, como também, é onde ocorre, todos os anos, o “Festival de Carimbó de Marapanim”.

Muitas pessoas acreditam que o carimbó do Pará é uma dança típica que foi trazida ao Brasil pelos escravos africanos. Por isso, com o passar dos anos, a dança teria incorporado aspectos de outros povos, por exemplo, os indígenas e os europeus. Nesse sentido, o costume da dança teria iniciado do hábito dos agricultores e dos pescadores de, sempre que acabavam de trabalhar, se reuniam em grupos para dançar ao ritmo do tambor do curimbó.

Características do ritmo

O carimbó pode ser definido como uma dança que reúne gente feliz, que dança sem fantasia e curte sentir os pés descalços no chão de terra batida. Por isso, tanto o figurino quanto a coreografia, certamente, são os aspectos que mais marcam os dançarinos de carimbó, assim como o modelo de toque dos instrumentos e tambores.

Assim, na dança, as mulheres colocam flores em sua cabeça, e usam diversos acessórios no pescoço e nos pulsos, que fazem um som ao ritmo do tambor. Outro aspecto é que as mulheres ainda utilizam saias bem coloridas e com volume, que dão a sensação de muito movimento no momento da dança.

Por outro lado, os homens utilizam calças brancas, normalmente com a bainha enrolada, herança herdada dos ancestrais negros, que dobravam a bainha das calças para realizar os trabalhos nos grandes engenhos.

Além disso, também são os homens que começam a coreografia e convidam suas companheiras para se juntar à dança, ao som das palmas. Nesse sentido, para produzir a sonoridade da dança típica paraense, não podem faltar os instrumentos musicais.

Os principais aparelhos utilizados são dois tambores, acompanhados de uma flauta, o reco-reco, o banjo, o ganzá e um pandeiro.

No entanto, com o tempo, o carimbó ganhou muita representatividade em outras regiões do Brasil, sendo ligado a muitas comemorações religiosas. Assim, dentre uma das comemorações, está a festa que acontece todos os anos no município de Bragança, em homenagem ao Santo Benedito. Por conta da ligação com as festividades religiosas, o carimbó recebeu, em 2014, o título de Patrimônio Imaterial Cultural do Brasil.

Principais artistas do Carimbó

Em síntese, o carimbó é uma dança típica do nordeste do Pará, porém foi compartilhada para outras localidades do Brasil por meio de vários artistas, por exemplo, a banda Calypso. Além da banda, é possível destacar outros cantores e grupos que ajudaram na difusão da dança pelos estados brasileiros, como:

  • Pinduca do grupo “Pinduca e banda” (Belém);
  • Aroldo do grupo “Revelação do Zimba (Salinópolis);
  • Ticó do grupo “Quentes da Madrugada” (Santarém Novo);
  • Lico do grupo “Beija-Flor” (Vigia);
  • Moacir do Grupo “Filhos de Maiandeua” (Maracanã);
  • Mário do grupo“Japiim” (Marapanim);
  • Elias do grupo “Raios de Luz” (Curuçá);
  • Verequete e Manoel do grupo “O Uirapurí” (Belém);
  • Amélia do grupo “Cruzeirinho” (Soure/Marajó);
  • Bigica do grupo “Sereia do Mar” (Marapanim).

O Dia Municipal do Carimbó é comemorado no Pará, no dia 26 de agosto. Assim, a data foi escolhida em homenagem à data de nascimento do Mestre Verequete, artista conhecido como o Rei do Carimbó.

Em 2014, por conta da popularização da dança paraense, por decisão unânime, o carimbó foi declarado como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil no Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural. Além disso, um ano depois, a dança típica do estado paraense recebeu, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o título de Patrimônio Cultural do Brasil.

Após descobrir o que é carimbó, o recomendado é buscar por outras partes da cultura do país. A dança carimbó é apenas uma parte da diversidade existente no país, assim, a busca por novas culturas é uma estratégia muito boa para conhecer os variados povos existentes no Brasil.