Ouça ao vivo
Ouça ao vivo
No ar agora

A história de Brasil Pandeiro no dia do aniversário de Assis Valente

Lívia Nolla
10:00 19.03.2024
Brasilidade

A história de Brasil Pandeiro no dia do aniversário de Assis Valente

Há exatos 113 anos, em 19 de março de 1911, nascia – em Santo Amaro da Purificação, na Bahia – um dos maiores compositores da história da música popular brasileira: Assis Valente. E, para homenagear o aniversariante do dia e seguir homenageando grandes compositores da nossa música popular brasileira, nós damos continuidade … Continued

Lívia Nolla - 19.03.2024 - 10:00
A história de Brasil Pandeiro no dia do aniversário de Assis Valente
Assis Valente | Imagem: Reprodução

por Lívia Nolla

Há exatos 113 anos, em 19 de março de 1911, nascia – em Santo Amaro da Purificação, na Bahia – um dos maiores compositores da história da música popular brasileira: Assis Valente.

E, para homenagear o aniversariante do dia e seguir homenageando grandes compositores da nossa música popular brasileira, nós damos continuidade à série Saudando Grandes Compositores da MPB, em que contamos a história de grandes clássicos das carreiras desses artistas.

Assis Valente | Imagem: Reprodução
Assis Valente | Imagem: Reprodução

Sobre Assis Valente

Também desenhista e especialista em prótese dentária, na década de 1930, o baiano Assis Valente compôs os seus primeiros sambas, bastante incentivado pelo também compositor e cantor Heitor dos Prazeres.

Seu primeiro sucesso, ainda de 1932, foi Tem Francesa no Morro, cantado por Aracy Cortes, uma crítica bem-humorada da mania de se falar francês no Rio de Janeiro.

Com a grande popularização das marchinhas de Carnaval, ele inaugurou  no país – em 1933 – a composição de músicas para outras datas festivas, como a música junina – com a famosa Cai, Cai, Balão (primeira música tipicamente junina gravada na história, em 1933, por Aurora Miranda – irmã de Carmen Miranda – e Francisco Alves); e também o clássico natalino Boas Festas (gravado no mesmo ano, por Carlos Galhardo), abrindo portas para que outros compositores se dedicassem a esse tipo de composição.

A marchinha Boas Festas é uma das mais famosas músicas natalinas nacionais. Nela, Assis Valente fala sobre um natal que é realidade para muitos brasileiros: solitário e muito desigual.

A letra foi escrita como fruto de sua própria experiência: Eu pensei que todo mundo / Fosse filho de Papai Noel / Bem assim felicidade / Eu pensei que fosse uma Brincadeira de papel”. Depois a canção foi regravada por diversos nomes da MPB, como Noite Ilustrada, Vanusa, Emilinha Borba, Ivan Lins, Zeca Baleiro, Maria Bethânia e Simone.

Seu trabalho foi um dos mais profícuos da música popular brasileira e consta que Assis Valente chegava a compor quase uma canção por dia – muitas delas vendidas a baixos preços para outros, que então figuravam como autores das canções.

Assis foi autor, também, de peças para o teatro de revista, como Rei Momo na Guerra, de 1943, em parceria com Freire Júnior.

Muitas de suas composições alcançaram o sucesso nas vozes de grandes intérpretes da época, como – principalmente Carmen Miranda – mas também Orlando Silva, Aracy de Almeida, Carlos Galhardo, Moreira da Silva, Almirante e muitos outros.

O baiano se suicidou no dia 06 de março de 1958, aos 46 anos de idade. Assis Valente estava endividado e já havia tentado o suicídio outras duas vezes.

Em sua terceira tentativa de suicídio, todas por conta de dívidas, o compositor veio a óbito depois de ingerir formicida. Deixou um bilhete no bolso, em que pedia para que o amigo compositor, Ary Barroso, pagasse seus dois aluguéis atrasados e finalizava dizendo: “Vou parar de escrever, pois estou chorando de saudade de todos, e de tudo.”.

Após sua morte, Assis Valente caiu em esquecimento, para ser finalmente redescoberto nos anos 1960, e seguiu sendo regravado nas vozes de grandes intérpretes da MPB, como Chico Buarque, Maria Bethânia, Novos Baianos, Elis Regina, Adriana Calcanhoto, Ná Ozzetti, Luciano Mello, etc.

E, para homenagear Assis Valente nesta data especial, vamos contar a história de um de seus maiores sucessos: Brasil Pandeiro.

Carmen Miranda e Assis Valente | Imagem: Reprodução
Carmen Miranda e Assis Valente | Imagem: Reprodução

História de Brasil Pandeiro

Assis Valente é responsável – nada mais, nada menos – do que pelo grande hino Brasil Pandeiro, samba-exaltação eternizado pelos Novos Baianos em 1972 e que tanto nos representa como povo e como país:

Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor
Eu fui à Penha, fui pedir a Padroeira para me ajudar
Salve o Morro do Vintém
Pendura a saia, eu quero ver
Eu quero ver o tio Sam tocar pandeiro para o mundo sambar

O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada
Anda dizendo que o molho da baiana melhorou seu prato
Vai entrar no cuscuz, acarajé e abará
Na Casa Branca já dançou a batucada de ioiô, iaiá

Brasil, esquentai vossos pandeiros
Iluminai os terreiros que nós queremos sambar
Há quem sambe diferente noutras terras
Outra gente, um batuque de matar

Batucada, reúne vossos valores
Pastorinhas e cantores
Expressão que não tem par, ó meu Brasil

Assis Valente compôs a canção em 1940, especialmente para Carmen Miranda interpretar – pois acreditava que não havia ninguém melhor para exaltar o samba e o povo brasileiro, além ter uma admiração e uma paixão muito grande pela Pequena Notável, como Carmen era conhecida.

Recém chegada dos Estados Unidos, a artista já havia gravado várias canções de Valente, mas não gostou muito de Brasil Pandeiro e a recusou, deixando o autor bastante chateado.

Então, a canção foi gravada pelo conjunto vocal e instrumental de samba e marchinha de carnaval, Anjos do Inferno, no ano seguinte, e fez bastante sucesso.

Mas, o auge mesmo ela atingiu quando foi gravada pelos Novos Baianos, em 1972, no antológico disco Acabou Chorare, por sugestão do mentor” do grupo, o também baiano João Gilberto.

João tinha apenas 10 anos quando Brasil Pandeiro foi lançada e a música de Assis Valente foi uma grande influência para ele.

A canção, de 1940, é uma afirmação da identidade nacional diante do imperialismo cultural praticado pelos EUA a partir da Segunda Guerra Mundial. Nesta época, o Brasil – recém saído da República Velha, oligárquica e escravagista – vivia um processo de definição em vários níveis: cultural, social, econômico.

Este processo acontecia em um momento de grandes transformações que colocavam o país no mundo industrial, urbano e capitalista, ao mesmo tempo em que a música brasileira – principalmente e o samba – fazia sucesso com o público norte-americano, na voz e nos filmes de Carmem Miranda.

Assis Valente em Brasil Pandeiro conclama o povo brasileiro a reconhecer seus próprios valores. Depois, em 1972 – no auge da ditadura militar – fazia todo o sentido os Novos Baianos regravarem a música.

Infelizmente, Assis Valente não viveu para ver isso.

Gostou de saber mais sobre as histórias de grandes canções da nossa música popular brasileira? Continue acompanhando a nossa série Saudando Grandes Compositores da MPB. Hoje, homenageamos o aniversariante Assis Valente.

Tags relacionadas

aniversário Assis Valente brasil brasil pandeiro composição compositor história da música Livia Nolla MPB música musica popular brasileira saudando Grandes Compositores da MPB
< Notícia Anterior

Viva Aracaju, Terra Cajueiro Papagaio!

17.03.2024 18:00
Viva Aracaju, Terra Cajueiro Papagaio!
Próxima Notícia >

Maria Bethânia, tema de mostra, diz que canta um Brasil 'sem dinheiro e poder'

19.03.2024 17:52
Maria Bethânia, tema de mostra, diz que canta um Brasil 'sem dinheiro e poder'
© 2024 - novabrasil - Todos os direitos reservados
Com inteligência e tecnologia: PYXYS - Reinventing Media Business