Gonzaguinha foi um dos maiores nomes da música popular brasileira. Cantor e compositor, o artista se tornou autor de grandes sucessos, como C, Sangrando, Começaria Tudo Outra Vez e Não Dá Mais Para Segurar – Explode coração. 

Durante seu sucesso nos anos 80, com suas belíssimas canções, Gonzaguinha foi muito requisitado no mercado brasileiro naquele tempo. Além disso, ele teve suas músicas gravadas por outros grandes artistas da época, como Elis Regina (Não Dá Mais Para Segurar) e Simone (Começaria Tudo Outra Vez). 

Ao longo da matéria você verá um pouco melhor de como foi início de carreira de Gonzaguinha, o auge da sua carreira musical nas décadas de 70 e 80 e como tudo terminou. Continue a leitura!

Músicas de Gonzaguinha são eternizadas por admiradores
Músicas de Gonzaguinha são eternizadas por admiradores. | Foto: Divulgação.

Infância e juventude

Gonzaguinha é filho de Luiz Gonzaga e da cantora e dançarina Odaléia Guedes dos Santos, que,  infelizmente, faleceu quando o garoto tinha ainda 2 anos de idade. No entanto, foi criado por seus padrinhos Henrique Xavier e Dina.

Desde muito cedo Gonzaguinha aprendeu a fazer música no convívio com Pafúncio (membro de compositores Unidos de São Carlos), já os primeiros acordes de violão, foram ensinados pelo padrinho. Gonzaguinha recebia algum dinheiro de seu pai para pagar os estudos e visitas esporádicas. O jovem cresceu e criou maturidade errando e aprendendo com as durezas da vida. 

Aos seus 16 anos, decidiu morar com o pai, para que continuasse com os estudos. Porém, na época, a esposa de seu pai não aceitava o “bastardo”, que era como ela o chamava.  Sem muitas opções para onde ir, o menino completou seus estudos como interno em um colégio. Após sua formação na escola, mais especificamente no ano de 1967, Gonzaguinha ingressou na Faculdade de Ciências Econômicas Cândido Mendes, no Rio de Janeiro. 

Para celebrar pai e filho, confira essa apresentação de ‘A Vida de Viajante’ no Festival da Canção, em 1984, onde Luis Gonzaga e Gonzaguinha cantam juntos:

Carreira musical

As primeiras composições de Gonzaguinha surgiram no momento em que ele passou a frequentar as rodas de violão na casa do psiquiatra Aluísio Porto Cerreiro, pai de Ângela, a mulher com quem se casou e teve dois filhos, os nomeados Fernanda e Daniel. Ainda nessa mesma época, ele ficou amigo de Ivans Lins, César Costa Filho, Dominguinhos e Aldir Blanc, grupo com quem fundou o Movimento Artístico Universitário (MAU). 

Gonzaguinha começou a participar de festivais universitários de música. No ano de 1969, ele conseguiu tomar a posição de finalista em um desses eventos, com a música “Pobreza por Pobreza”. No ano seguinte, conquistou o primeiro lugar com a canção “Trem”.  O artista tinha a capacidade de transformar as dificuldades da vida em agudas consciências políticas e sociais, nas quais se tornaram ideias e temas para suas composições na carreira musical.

Década de 70

A grande reviravolta na carreira de Gonzaguinha se deu por volta do ano de 1973, quando teve sua participação e apresentação no programa de Flávio Cavalcanti, ao cantar sua música “Comportamento Geral”. O artista foi acusado de terrorismo pelos jurados do programa e, no dia seguinte, recebeu uma advertência da censura. Logo, a polêmica levaria sua música a ocupar as paradas de sucesso e seu compasso esgotou rapidamente. 

Vale lembrar que, nessa mesma época, havia muitas perseguições e censuras devido ao regime militar. Sendo assim, a música cantada por Gonzaguinha no programa foi proibida em todo o país. O artista foi levado ao DOPS a fim de prestar esclarecimentos. Ainda com a perseguição e tendo várias de suas músicas censuradas, Gonzaguinha chegou a gravar alguns discos: Gonzaguinha (1974), Plano de Voo(1975) e Começaria Tudo Outra Vez (1976). 

O último disco representou uma grande volta por cima em sua carreira. A música que carrega o título do álbum foi um grande sucesso. A partir de então, suas canções ganharam um ar mais romântico, ainda sem abandonar as preocupações sociais.  Já no ano de 1979, na voz da cantora Maria Betânia, o compositor fazia sucesso com a canção “Não Dá Mais Para Segurar”, conhecida como “Explode Coração”.

Década de 80

Durante os anos 80, com suas belíssimas canções, Gonzaguinha chegou a ser um dos compositores e cantores mais requisitados da indústria da música no Brasil. Suas músicas chegaram a ser gravadas por grandes nomes, como Elis Regina e Simone. Entre suas gravações, destacam-se “Nada Será Como Antes” (1981) e “Lindo Lago do Amor” (1984). 

No ano de 1981, o artista iniciou uma turnê pelo país ao lado de Luiz Gonzaga, com o show “Vida de Viajanta”, responsável por selar o reencontro de pai e filho. Além disso, Gonzaguinha tem uma filha chamada Amora, fruto de sua relação com Sandra Pera, do grupo As Frenéticas. 

Nos últimos 12 anos de sua vida, o cantor residiu em Belo Horizonte, com sua terceira esposa, Louise Margarete, e com sua filha deste relacionamento, Mariana. 

A morte de Gonzaguinha foi trágica. Você deve estar se perguntando: “Gonzaguinha morreu de que?”. O artista veio a falecer em Renascença, no Paraná, dia 29 de abril de 1991, após um acidente de carro na estrada. 

20 músicas de Gonzaguinha que marcaram a MPB

Agora que você já conhece a história de vida e artística do nosso querido Gonzaguinha, confira o ranking das músicas mais tocadas do artista nos últimos cinco anos nos principais segmentos de execução pública – incluindo as rádios, casas de festa e diversão, carnaval, festa junina, shows, entre outros.  

  1. O que é o que é;
  2. Lindo Lago do amor;
  3. Sangrando;
  4. É;
  5. Começaria Tudo Outra Vez;
  6. Explode Coração;
  7. Guerreiro Menino;
  8. Grito de Alerta;
  9. Espere Por Mim Morena;
  10.  Recado;
  11. E Vamos à Luta;
  12.  Feliz;
  13. O Homem Falou;
  14.  Com a Perna No Mundo;
  15. Maravida;
  16.  Festa;
  17. Mamão com Mel;
  18.  Boi Bumbá;
  19.  Nunca Pare de Sonhar;
  20.  Comportamento Geral.

Gostou do conteúdo? Leia também a homenagem que fizemos quando completou 31 anos que estamos sem Gonzaguinha e seu Lindo Lago do Amor aqui.