Este conteúdo faz parte do Acervo MPB, podcast com áudio-biografias de grandes nomes da nossa MPB, escute aqui:

Leia a primeira parte deste acervo aqui.

O primeiro disco solo chamado “Moraes Moreira” veio em 1975, contando com o sucesso Chuva no Brejo (eternizado por Marisa Monte anos depois em seu disco Barulhinho Bom) e a parceria com Galvão e Luiz Gonzaga: Ps. *********

Até aquele momento da história, os trios elétricos do carnaval de Salvador eram somente instrumentais e quando Moraes Moreira assumiu os vocais do trio de Dodô e Osmar, em 76, tornou-se o primeiro cantor de trio elétrico do Brasil. Depois disso, o carnaval nunca mais foi o mesmo. Moraes é um dos grandes responsáveis pela afirmação e pelo crescimento do carnaval de rua de Salvador. Fazendo fusões entre o frevo, a guitarra baiana e o batuque dos blocos afro, influenciou e abriu caminho para uma geração de cantores de trio elétrico que vieram depois.

A marchinha Pombo Correio virou um dos hinos do carnaval de Salvador, e está no segundo disco solo do cantor, Cara e Coração, de 1977, que também conta com o clássico Hino Nordestino.

Ao longo dos anos, outras composições de Moraes desta mesma época foram tornando-se hinos do carnaval da Bahia: Bloco do Prazer em parceria com Fausto Nilo, Vassourinha Elétrica e Chame Gente de 86, com Armandinho.

Já em 1978, Moraes lança o álbum Alto Falante e, no ano seguinte, o disco Lá Vem O Brasil Descendo a Ladeira, que conta com o sucesso da faixa título (parceria com Pepeu Gomes), além dos clássicos Chão da Praça, Eu Sou O Carnaval e Pelas Capitais.

Depois disso, vieram os discos Bazar Brasileiro em 1980, Moraes Moreira, a gravação de sua participação no Festival de Montreux, Coisa Acesa, Pintando o Oito e Mancha de Dendê Não Sai.

No álbum Mestiço É Isso, de 86, lança outro grande sucesso de sua carreira: a canção Sintonia, em parceria com Fred Góes e Zeca Barreto. Estão nesse mesmo disco Chame Gente e Bloco do Prazer, além do hit de São João, Festa do Interior, eternizado na voz de Gal Costa, em 1981, em seu disco Fantasia.

Em 1990, Moraes Moreira se apresenta em uma reunião inédita com os Novos Baianos, em cima do trio elétrico, no carnaval de Salvador. E não demorou muito pra sair disco novo. Com a parceria de Pepeu Gomes, Moraes Moreira lançou dois discos, sendo um deles gravado num show que fizeram juntos no Japão contando com o grande sucesso Eu Também Quero Beijar.

 

Em 91 veio mais uma apresentação de Moraes Moreira no Rock in Rio e junto o lançamento do disco Cidadão. E não para por aí. Na sequência temos os álbuns: Tem Um Pé No Pelô e Terceiro Mundo (1993), O Brasil Tem Conserto no ano seguinte com muita influência da música erudita. Tem também o Acústico MTV de 1995, Estados em 96, o disco comemorando seus cinquenta anos de idade chamado 50 Carnavais em 97. Paralelamente, Moraes se reúne com os Novos Baianos para produzir o disco especial Infinito Circular, com os maiores sucessos do grupo. Em 1998 veio o álbum 500 Sambas em homenagem aos 500 anos de Brasil.

Leia a última parte deste acervo.