Este conteúdo faz parte do Acervo MPB, podcast com áudio-biografias de grandes nomes da nossa MPB, escute aqui:

Leia a parte anterior deste conteúdo.

Chegando em 1988, o baiano lança o álbum Muito Obrigado, que conta com grandes sucessos seus como: a faixa-título, Odé e Adão, Tentar Até Te Ter e Atmosfera e Ar.

Um ano depois, é a vez do disco Timbres, que traz grandes sucessos como: Zorra e Mademoiselle. Mas o destaque vai para a música Tieta de Paulo Debétio e Boni, que acabou virando tema de abertura da novela Tieta da Rede Globo de 1990.

Em 91, Luiz Caldas lança o álbum Nós, que traz grandes clássicos como: O Que é Que Essa Nega Quer? e Quando Meu Amor Quer e uma versão de Luiz e Durval Caldas para a canção Three Little Birds, de Bob Marley, chamada Tenho o Ouro.

– No ano seguinte, o artista lança o disco Retrato, com canções autorais como Alvorada, Meu Candeeiro e H20 Celestial.

Chegamos em 1994 com o álbum Luiz Caldas, que conta com os sucessos: Festa de Largo e Eu Tô Gostando de Você, Jeremias, além das clássicas Não Se Despediu de Mim e Fã Nº1.

Quatro anos depois, o cantor lança o disco Forró de Cabo a Rabo, com regravações de canções de Luiz Gonzaga e seus parceiros. Entre os clássicos: O Xote das Meninas, São João na Roça e Cintura Fina, Danado de Bom e Qui Nem Jiló e Paraíba.

– Em 1999, Luiz Caldas lança o álbum especial 15 Anos de Axé – Luiz Caldas e Convidados, que traz grandes clássicos do gênero difundido por ele a partir dos anos 80, com a participação de artistas que foram amplamente influenciados por Caldas e que viraram referências no Axé Music. Destacando: Carlinhos Brown e Ninha, da Timbalada. Beto Jamaica e Compadre Washington, Gil Melânia, Bell Marques, AraKetu, Daniela Mercury e Margareth Menezes.

Em 2001, Luiz Caldas lança o disco Janela Aberta, que traz composições autorais suas como: Baiano, Guerra, Colorir a Barra, Sedutor e Tá Porreta.

O cantor lançou um disco em parceria com o letrista e poeta baiano César Rasec, com dez canções que homenageiam 10 filósofos diferentes: Melosofia, em 2004. Entre os homenageados estão: Sócrates, Platão, Kant, Marx, Nietzsche e Sartre.

Em 2005, é a vez do álbum Luiz Caldas Ao Vivo em Salvador, que traz os maiores sucessos já consagrados de sua carreira, com participações especiais de Ivete Sangalo, Fagner e Carlinhos Brown.

A partir do ano de 2010, Luiz Caldas começa com um projeto ousado e inovador. Neste ano, lança – simultâneamente – 10 discos de estilos diferentes, com 130 canções inéditas. O projeto envolve vários gêneros, como o pagode, o forró, a MPB, a música romântica, o hard rock e a música instrumental, sendo um dos álbuns dedicado aos povos indígenas, com letras inteiramente em Tupi.

– Em 2013, o artista repete essa fórmula e lança mais 12 discos, um por mês, em seu site oficial, com mais de 500 canções inéditas lançadas ao longo do ano.

– Desde então, Luiz Caldas vem repetindo este feito constantemente: lança um disco por mês em seu site oficial, disponível gratuitamente para download e também nas plataformas digitais, com gêneros e estilos variados, mostrando toda a sua versatilidade, seu talento e criatividade.