Benito di Paula lança álbum de inéditas depois de 25 anos

Por: Novabrasil
30 de novembro de 2021

O Infalível Zen. Esse é o nome do novo disco de Benito Di Paula, depois de 25 anos sem lançar um álbum de inéditas.

O icônico cantor e compositor carioca – que viveu o auge de sua popularidade nos anos 70, com canções clássicas como Retalhos de Cetim, Charlie Brown, Mulher Brasileira e Do Jeito Que a Vida Quer – e completou 80 anos de idade no último dia 28 de novembro, lançou o disco no dia do seu aniversário. Seu filho, Rodrigo Vellozo – também músico – resolveu resgatar canções desconhecidas do repertório do pai e trazê-las à tona neste novo trabalho, uma parceria entre pai e filho.

Para isso, ele contou com a ajuda de um time de músicos e compositores da cena atual paulistana, que deram um toque de modernidade e vanguarda sobre rascunhos de músicas que nunca haviam se materializado, ampliando o rico cancioneiro do pai.

Benito, que costumava se denominar um “sambeiro”, ou “pianeiro”, foi um dos compositores mais prolíficos e ativos da música brasileira e delineou – com sua obra – uma assinatura singular na música do Brasil, ao constatar que o manuseio das teclas do piano surtia efeito de batucada, dando um toque percussivo ao piano e trazendo o instrumento para o samba.

Benito é o quinto maior vendedor de discos do Brasil: são 35 discos lançados e mais de 50 milhões de cópias vendidas no país, além de quatro milhões de discos vendidos no exterior. O artista já foi gravado por grandes nomes da música popular brasileira como Jair Rodrigues, Roberto Carlos, Emílio Santiago e Ângela Maria.

A direção artística do álbum – que apresenta músicas como: Ao Mundo O Que Me Deu, Um Piano no Forró (uma homenagem a uma de suas grandes influências, Luiz Gonzaga), O Jantar, Meu Retrato (homenagem a Nelson Gonçalves), Improvation (um jazz improvisado no piano). e Uma Onda no Tempo – é de Romulo Fróes, que também foi responsável por trazer outros artistas veteranos para as paradas do novo milênio: Elza Soares, no disco A Mulher do Fim do Mundo, de 2015, e Jards Macalé, em Besta Fera, de 2019.

O disco também marca a volta de Benito di Paula aos palcos, ao lado do filho, em um show emocionante em que os dois ocupam o palco sozinhos, frente à frente, cada um no seu piano e no seu microfone.

 

NOVAS
 

DESTAQUES | PODCASTS