Dia 25 de Setembro: Dia Nacional da Rádio

Por: Novabrasil
25 de setembro de 2021

Hoje, 25 de setembro, é comemorado no Brasil o Dia Nacional do Rádio. E nós, da Novabrasil, não poderíamos deixar esta data tão especial passar em branco!

É dia de lembrarmos da importância deste meio de comunicação tão especial, que leva – de forma acessível e democrática – informação, emoção, arte, educação, companhia e entretenimento aos lares brasileiros.

A data foi instituída em referência ao nascimento de Roquette-Pinto, considerado o Pai da Radiodifusão no Brasil. Ele fundou a primeira emissora de rádio do país, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, em 1923, com o intuito de difundir a educação e a cultura por este meio de comunicação.

Roquette – que também foi professor, escritor, antropólogo, etnólogo, ensaísta, médico legista e Membro da Academia Brasileira de Letras – estava presente na primeira transmissão de rádio ocorrida no Brasil.

Em 7 de setembro de 1922 – data em que o Brasil celebrava os 100 anos de sua independência – aconteceu uma Feira Internacional no país, na qual empresários norte-americanos trouxeram a tecnologia de Radiodifusão, um dos principais assuntos da época nos Estados Unidos, para apresentar aos brasileiros.

A Radiodifusão é a transmissão em ondas de radiofrequência que, moduladas, propagam-se eletromagneticamente através do espaço. Tratava-se da propagação de sinais de rádio, televisão ou telex por ondas radioelétricas, recebidos pelos aparelhos de rádio ou televisão, que as transformavam em vídeo e áudio.

A partir do final do século XIX, cientistas e técnicos de vários países contribuíram para o desenvolvimento da Radiodifusão, com estudos sobre eletromagnetismo. Na época, já existiam dois meios de comunicação rápida e a longa distância, que enviavam sinais eletromagnéticos através de fios: o telégrafo e o telefone.

Em 1895, britânicos conseguiram transmitir sinais de rádio a pequenas distâncias e, em 1896, um físico e inventor italiano registrou, em Londres, a primeira patente de um sistema de radiocomunicação – com base em pesquisas anteriores – e, aos poucos, foi conseguindo ampliar a distância de transmissão.

Em 1919, foi inaugurada uma emissora de rádio regular em Rotterdam e, em 1920, a primeira radiodifusora comercial, nos Estados Unidos.

Naquele 7 de setembro de 1922, os norte-americanos instalaram uma antena no pico do morro do Corcovado e transmitiram o discurso do então presidente, Epitácio Pessoa, que foi captado em Niterói, Petrópolis, na serra fluminense, e em São Paulo, onde foram instalados aparelhos receptores – À noite, naquele mesmo dia, os alto-falantes tocaram a ópera O Guarani, de Carlos Gomes.

Quando Roquette-Pinto entrou em contato com aquela tecnologia pela primeira vez, vislumbrou naquilo uma máquina importante para promover educação e cultura em massa para o povo brasileiro, e não sossegou enquanto não convenceu a Academia Brasileira de Ciências a comprar o equipamento apresentado.

Roquette-Pinto compreendia o papel do rádio e do cinema como projetos de divulgação do saber, como meios eficazes de vencer distâncias, de ultrapassar os limites do espaço e do tempo, partilhando o conhecimento entre os brasileiros espalhados pelo território nacional.

Para ele, a constituição da nação implicava vencer distâncias, e as estradas eram referidas como “vasos nutridores” do Brasil. Enquanto o povo brasileiro precisava de acesso à educação, o país enfrentava dificuldades adicionais derivadas da sua grande extensão territorial.

Dizia: “Para nós o ideal é que o cinema e o rádio fossem, no Brasil, escolas dos que não têm escola. (…) O rádio é o jornal de quem não sabe ler. É o mestre de quem não pode ir à escola. É o divertimento gratuito do pobre. É o animador de novas esperanças. O consolador dos enfermos e o guia dos sãos, desde que o realizem com espírito altruísta e elevado”.

No ano seguinte, Roquette-Pinto (junto com o também professor, engenheiro e geógrafo Henrique Morize, presidente da Academia Brasileira de Ciências, e outros membros) inaugurou a Rádio Sociedade, a primeira emissora de rádio em operação no Brasil, com programas de cunho educativo e com fins exclusivamente educacionais e culturais, sendo o berço da ideia do rádio educativo.

Ainda até hoje, devido à facilidade de acesso, à ampla cobertura e à flexibilidade, o rádio oferece inúmeras possibilidades para a educação à distância no desenvolvimento de programas de educação formal e não formal. Ao utilizar esse recurso, aliado às escolas públicas, amplia-se a capacidade de estratégias criativas para uma educação de qualidade chegar o mais longe possível.

Esse veículo de comunicação tem como característica seu apelo da fala direta com o público, criando a oportunidade para uma identificação com a população, integrando-se à rotina cotidiana, com grande potencial de mobilização e divulgação.

Assim, motivado pela cultura da oralidade, pelo seu grande poder de penetração nas áreas rurais – grande parte sem acesso a energia elétrica – e pelos custos mais baixos em relação a outros meios, o rádio é ainda o principal meio de comunicação, justificando-se seu grande potencial de parceria pela educação e cultura.

Viva a rádio! Viva a cultura! Viva o acesso! Viva a educação! Nós, da Novabrasil temos orgulho em fazer parte da história do rádio no Brasil!

Fundada no dia 1º de junho de 2000, a Rádio Novabrasil FM, desde sempre, acredita na música brasileira como patrimônio imaterial do país e privilegia a cultura nacional, a brasilidade e a originalidade.

Acreditamos no poder da música como agente transformador, capaz de aproximar as pessoas e criar experiências memoráveis.

Hoje, interagimos com mais de 3 milhões de pessoas por mês, por meio das nossas rádios – espalhadas por 11 diferentes praças no país – das nossas plataformas digitais, de ativações, eventos e, também, via streaming.

E em 2021, também comemoramos 21 anos de existência!

NOVAS
 
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

DESTAQUES | PODCASTS

PUBLICIDADE