Perfil do Artista

Língua de Trapo Laert Sarrumor (voz), Pituco (voz), Lizoel Costa (guitarra, violão e viola), Sérgio Gama (guitarra, bandolim, cavaquinho e voz), Luiz (baixo, violão e voz), Fernando Marconi (bateria e percussão) e Ademir Urbina (percussão e voz)

A banda surgiu em 1979, e logo foi batizada de Laert Sarrumor & Os Cúmplices, no entanto, no mesmo ano, passou a se chamar Língua de Trapo naquele mesmo ano, uma alusão à um verso de Ary Barroso na canção “Dá nela”.

O grupo seguia a linha humorística, com humor mais ácido e crítica mais acirrada. Eles eram influenciados pelos Mutantes, Joelho de Porco e pelo grupo inglês Monty Pithon, o grupo era iconoclasta assumidos, e sua crítica não perdoava ninguém: personalidades da política, famosos…

Em 1982, lançou o seu primeiro LP, que levou o nome de “Língua de Trapo”. O álbum foi marcado pela sátira e ironias, como na faixa “O que é isso, companheiro?”, que criticava o jornalista e político Fernando Gabeira. Dois anos mais tarde, o grupo foi premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte como melhor conjunto vocal do ano.

Em 1986, Língua de Trapo gravou outro LP e enfrentaram problemas com a censura. O disco “Dezessete big golden hits superquentes mais vendidos no momento”, acabou tendo apenas três faixas interditadas: “Grito”, “Marcinha ligou” e “Merda”.

No ano seguinte, o grupo interrompeu as suas atividades. Eles retomaram apenas em 1991. Com nova formação, apenas com Laert e Sérgio Gama dos membros originais, e acabaram lançando o CD “Língua ao Vivo”.

Em 2000, acabaram gravando um CD em homenagem as duas décadas de existência e acabou sendo batizado de “Vinte e Um Anos na Estrada”.

Atualmente, continuam fazendo raros e disputadíssimos shows, tendo lançado recentemente uma caixa com toda a obra do grupo acompanhada por um DVD.

Referências: Site Oficial e Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira

Discografia: Língua de Trapo (1982) Sem Indiretas (1984) Como é Bom ser Punk (1985)17 Big Golden Hits Super Quentes Mais Vendidos no Momento (1986) Brincando com Fogo (1991) Língua ao Vivo (1995) Vinte e Um Anos na Estrada (2000)