Perfil do Artista

Lô Borges (Salomão Borges Filho) Nascido em Belo Horizonte (MG), em 10 de janeiro de 1952

Lô Borges é um dos idealizadores do movimento Clube da Esquina, que revelou nomes como Milton Nascimento, Beto Gudesm Toninho Horta e Flávio Venturini e os alçou ao time da MPB.

O cantor é o sexto filho de dona Maricota e seu Salomão Borges. Ele cresceu em um ambiente musical, principalmente por causa de seu irmão Márcio que teve grande influencia musical. Apesar da pouca idade, Lô e seu amigo Beto Guedes dividiam seu tempo com a música. O garoto era tão talentoso que chamou atenção do amigo de seu irmão, Bituca, que estava sendo mais conhecido como Milton Nascimento e causando furor por onde passava, graças a apresentações consagradoras nos festivais da canção daquela época.

O músico morava na esquina das ruas Divinópolis e Paraisópolis, no boêmio bairro de Santa Tereza, em Belo Horizonte, onde nasceu uma música, um disco e um movimento: Clube da Esquina. Em 1972 lançaram o primeiro LP. Lô tinha apenas 18 anos e a responsabilidade de dividir um disco com Milton não pesava nem um pouco em seus ombros. Muito menos a responsabilidade de gravar “Um girassol da cor do seu cabelo” cantando ao piano, com uma orquestra regida por Eumir Deodato em apenas dois canais. Também gravaram “O Trem Azul”, “Saídas e bandeiras”, “Cais”, “Paisagem da janela”, “Nada será como antes” e “Clube da Esquina nº 2″. O movimento a que o disco deu o nome nasceu a partir daí. Na época em que foi lançado, “Clube da Esquina” recebeu críticas positivas, mas a esmagadora maioria não soube reconhecer a genialidade ali registrada nos sulcos.

O grupo estava com contrato nas mãos para gravar o segundo álbum, no entanto, não tinham material suficiente para isso. A solução encontrada foi compor enquanto gravavam o segundo LP. A partir daí, surgiu Lô Borges, seu segundo trabalho, ou como também é conhecido, o “disco do tênis” como é conhecido até hoje, graças à foto da capa, que mostra um par de tênis velhos do próprio cantor. No LP estão canções como “Canção postal”, “O Caçador” e “Faça seu jogo”.

Depois da gravação do material, Lô passou os próximos sete anos sem registrar nada que compunha. Em 1979, retomou o cenário musical com o LP “Via Láctea” que foi muito bem recebido pela crítica e pelos fãs. Exemplo disso é que nove entre dez canções de qualquer coletânea de Lô Borges são deste disco. “Clube da Esquina 2″ – com uma letra criada por Márcio Borges, em cima do instrumental registrado no disco Clube da Esquina -, “A Via Láctea”, “Equatorial”, “Vento de Maio”, “Tudo que você podia ser” e “Nau sem rumo”.

A década de 1980 começou bem para o músico. Lô conseguiu reunir, por meio do projeto especial “Os Borges”, Milton Nascimento e Ellis Regina. O disco foi um sucesso. No ano seguinte lançou “Nuvem Cigana”, que também teve participação de Milton.

Três anos mais tarde, lançou “Sonho Real”, em que em 2001 ganhou uma reedição luxuosa em CD. É o disco em que seu irmão Telo mais contribui, inclusive com a bela faixa que abre o álbum, “Tempestade”. Mais uma vez, o trio de letristas, Márcio Borges, Murilo Antunes e Ronaldo Bastos se faz presente, mantendo assim a chama do Clube acesa.

Em 1987 presenteou os fãs com um disco ao vivo, intitulado de “Lô ao Vivo”, que foi gravado no Ro de Janeiro, acompanhado apenas por seu irmão Marilton. As participações especiais de Milton Nascimento (em “Um Sonho na correnteza”) e de Paulo Ricardo – então no auge de sua carreira com o RPM – em “Para Lennon e McCartney” ajudam a abrilhantar este álbum que jamais foi lançado no país.

Dez anos mais tarde lança “Meu Filme”, o disco que o próprio Lô considera – ao lado do “disco do tênis” – como o mais emblemático de sua carreira. O disco foi gravado quase todo com voz, violão e percussão. Caetano Veloso assina a letra de “Sem não” enquanto Chico Amaral, principal letrista do Skank, assina a faixa-título com Lô. É neste disco que Lô Borges inaugura sua bem sucedida parceria com a banda mineira – principalmente com Samuel Rosa – de quem regravaria “Te ver”.

Em 2001 lançou “Feira Moderna”, o qual regravou alguns de seus maiores sucessos. O disco contou com as participações especiais de Edgard Scandurra e Samuel Rosa.

Também se destacoi como compositor. Teve suas canções gravadas por Milton Nascimento, Simone, Nana Caymmi, Gal Costa, Elba Ramalho, Elis Regina, Ney Matogrosso.

Discografia: Clube da Esquina – 1972 Lô Borges – 1972 A Via Lactea – 1979 Os Borges – 1980 cNuvem Cigana – 1981 Sonho Real – 1984 Solo – Ao Vivo – 1987 Meu Filme – 1996 Feira Moderna – 2001 Um Dia e Meio – 2003 BHanda – 2006