Perfil do Artista

Integrantes: Mú (teclados), Dadi (baixo e guitarra), Gustavo (bateria), Armandinho (guitarra), Ary Dias (bateria)

Formação original: Jorginho Gomes, Didi Gomes, Victor Biglione, Perinho Santana

A banda A Cor do Som nasceu por meio de um grupo de músicos que admiravam Moraes Moreira após sua saída dos Novos Baianos. O marco zero foi em 1977, quando tentavam novos padrões de som, tendo como exemplo Moraes Moreira e Pepeu Gomes, sondo um movimento pós-tropicalista.

O grupo chamou a atenção de críticos e fãs pela originalidade da música que era uma mistura de rock, ritmos regionais e música clássica. Adotaram o nome por sugestão de Caetano Veloso, e logo no seu primeiro ano, foram convidados a participar do Montreux Jazz Festival, na Suíça, em 1978, tornando-se o primeiro grupo musical brasileiro a participar do evento – vale observar que o show em Montreux rendeu um disco ao vivo.

No ano seguinte, A Cor do Som realizou um show no Parque Ibirapuera, em São Paulo, para um público estimado em 60 mil pessoas. Também no mesmo ano, gravou o LP “Frutificar”.

No ano de 1980, a banda presenteou os fãs com o LP “Transe total”, que teve a maior vendagem da carreira do grupo. Chegaram a regravar músicas de Gilberto Gil, Armandinho e Mú Carvalho.

No ano seguinte, além de gravar a canção “Mudança de estação”, Armandinho se desliga do grupo, sendo substituído pelo guitarrista Victor Biglione. Com a nova formação, a banda gravou os discos “Magia tropical”, em 1982 e “As quatro fases do amor”, em 1983.

Em 1984, o guitarrista se desligou do conjunto e Dadi assumiu a guitarra na gravação do LP “Intuição”, que contou com a participação especial de Egberto Gismonti e Túlio Mourão, além de Perinho Santana, que viria a compor a nova formação do conjunto.

O último LP da carreira foi gravado em 1985, e foi intitulado de “O som da Cor”. A partir daí, a banda encerrou as atividades e alguns componentes resolveram seguir carreira solo, como Armandinho e Mu Carvalho.

Uma década mais tarde, o grupo se reuniu novamente para gravar o disco “A Cor do Som Ao Vivo no Circo”. Eles receberam o prêmio Sharp de melhor grupo instrumental.

Em 2005, com a formação original, o grupo apresentou-se no Canecão, no Rio de Janeiro. O show contou com a participação especial de ídolos como Caetano Veloso, Daniela Mercury, Moraes Moreira, Davi Moraes. Em 2006, A Cor do Som foi contemplada com o prêmio Tim de Melhor Grupo, na categoria Canção Popular, pelo CD A Cor do Som Acústico.

Seis anos mais tarde, realizou a última apresentação no Teatro Rival Brasil. Nesse mesmo ano, apresentou-se para uma plateia de cerca de 5.000 pessoas na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador.

Referência: site oficial, Dicionário da Música Brasileira Cravo Albin e Wikipédia

Discografia: A Cor do Som (Warner)(1977) A Cor do Som ao Vivo no Montreux International Jazz Festival (Warner)(1978) Frutificar (Warner)(1979) Transe Total (Warner)(1980) Mudança de Estação (Warner)(1981) Magia Tropical (Warner)(1982) As Quatro Fases do Amor (Warner)(1982)Intuição (Warner)(194)O Som da Cor (Warner)(1985) Gosto do Prazer (RCA Victor)(1986) A Cor do Som ao vivo no Circo (MoviePlay)(1996)A Cor do Som Acústico (Performance/Sony)(2005)